18.11.12

primeira carta que te escrevo


Tens o poder de fazer as minhas pernas latejar quando o teu olhar encontra o meu. Aqueces-me o coração como chocolate quente num dia de Inverno, e é bom. É confortante, apazigua-me a alma e tranquiliza o pensamento. Os teus braços em meu redor deixam-me estática com emoção, o corpo que quero abraçar, sentir-me protegida outra vez, começar de novo. 
Estás tão perto e eu afasto-me, com medo de me magoar, de te magoar, tu que és tão frágil, não aguentaria ver-te sofrer. Segura-me junto a ti, perto, mais perto, os teus lábios quase nos meus, tua respiração no meu rosto e fiquemos assim, sem mais nada, trocas de olhares e sem pronunciar uma palavra, porque não há nada que os olhos não digam.
Um arrepio invade-me cada centímetro do corpo quando pronuncias o meu nome, e deixo-me derreter nas tuas palavras doces, caramelo e baunilha numa dança improvisada, o teu toque nas minhas mãos e as bochechas coradas, as covinhas amorosas e a barba por fazer, consigo recordar cada uma das tuas feições com nitidez, porque a tua imagem ficou gravada na minha mente desde o primeiro dia em que vi, imagem que deixa saudade quando te vais, imagem que me enfeitiça, porque me escolheste? Tenho medo, é demasiada felicidade, não ma tires, não ma tirem. Deixa-me tê-la, e ter-te também, mas com calma, temos tempo. Vamos caminhando devagar, os dedos entrelaçados ao de leve, uma canção de amor, quero ter calma, cuidado, tento não cair, não aguentaria a queda.
Oh, mas tropecei logo que me sorriste.

3 comentários:

  1. Está lindo! Fico contente por estares a seguir em frente, com muita força de vontade também!

    ResponderEliminar
  2. Está mesmo do outro mundo!
    A tua escrita fascina! Parabéns (:

    ResponderEliminar
  3. Que lindo! A sério, adorei mesmo :) Força

    ResponderEliminar