25.4.12

nightmares


Meus pés frios dançam ao sabor do sonho quando sou brutalmente interrompida por algo terrível ao qual gosto de chamar realidade.
Lentamente é movida a minha nuca pelo medo congelante da solidão. Mas não, não tardo em notar a tua ausência angustiante. Não tardo a estender o meu corpo na metade da cama onde pertences e a soltar um suspiro desesperado, assim como uma lágrima, que o acompanha. Um furacão envolve o meu corpo fraco, furacão frio, que chegava a fazer-me acreditar que os ventos do Norte e do Sul, tão antigos inimigos como os Anjos e Demónios, se uniram para me derrotarem nesta sensação avassaladora e gélida.
É difícil que as Sombras vagueantes, saídas do esconderijo durante os meus sonhos, voltem à escuridão antes que as vislumbre e me encha de arrepios incontroláveis. É difícil controlar o medo, as Vozes. E tão obscuras são elas, tão autoritárias e cativantes que tenho de cerrar os olhos com todas as minhas forças.
Regresso à berma da cama e encolho as pernas de tal forma que me tocam e fico totalmente dobrada sobre mim mesma. Rodeando o corpo com os braços e beijando uma última vez o teu retrato, na minha mesinha de cabeceira, adormeço condenada a pesadelos eternos nos quais reinam a solidão e a saudade.


5 comentários:

  1. Vou-te ser sincero, tu dás imenso valor aos sentimentos sabes deposita-los nos teus textos !**

    Adoro e sigo :)

    ResponderEliminar
  2. ok , sim , sem duvida , tu vais mesmo ter de publicar um livro e sim eu vou de certeza comprá.lo .

    AMO.TEEEE ♥

    by:mp

    ResponderEliminar